On the road: o que fazer em Ilhéus e na costa sul da Bahia?

morro de sp1

Leitores do Coconut, como vocês que acompanham o blog sabem, vira e mexe abro espaço para algumas de minhas melhores amigas jornalistas ou do mundo da “modas” para compartilhar uma experiência que de alguma forma mudaram a vida deleas. Como um produto de beleza ou uma viagem incrível que fizeram pelo Brasil ou em qualquer canto do mundo. Hoje é a vez da minha amiga Amanda Souza, formada em moda, que vai contar tudo sobre sua viagem a dois pela Bahia. Aproveitem as dicas! 

pousada em itacaré 2

No começo do mês de fevereiro meu noivo e eu finalmente viajamos para Bahia, mais precisamente a poética cidade de Ilhéus. Buscamos sempre viajar no carnaval por conta do trabalho do meu noivo que dificultar viagens no Reveillon, porém com um ano mega estressante que foi 2014 preferimos fugir da folia e viajar uma semana antes do feriado. Fechamos o pacote umas três semanas antes da viagem (05 de fevereiro) e pela CVC. A viagem de São Paulo saindo do aeroporto de Congonhas para Ilhéus é direta e sem conexão e dura em média 2 horas. O voo foi tranquilo, sem atrasos tanto na ida como na volta. Na chegada ao aeroporto de Ilhéus fomos recepcionados por uma funcionária da CVC que nos poupou de esperar mais 20 minutos para recepcionar mais outras pessoas que chegariam e nos levou direto para o hotel (muito amor ) além de muito simpática, a guia é apaixonada pela sua cidade e nos deu algumas dicas como restaurantes e bares (como o Chico Caldos no centro de Ilhéus, com caldos de iguarias e uma lasanha de banana da terra com carne seca e queijo coalho! Esqueçam-se do regime! Preço justo e a maioria serviam três pessoas tranquilamente). Logo que chegamos, por volta das 15:00hrs e começamos a aproveitar o local. O hotel Praia do sol é lindo! Clique aqui para ver mais detalhes do local. Ficamos imensamente felizes como eles foram fieis as fotos do site. Atendimento impecável e funcionários acolhedores e imensamente prestativos. A piscina tem um ótimo tamanho e espaço do hotel tem redes e um local para massagens terapêuticas super charmoso! O hotel possui restaurante no local com uma tapioca ótima que é obrigatória experimentar (comecei a gostar depois que experimentei a tapioca de lá! A ponto de encomendar 4 kg para trazer para casa hahaha), drinks de frutas da época e camarão pitu também são uma ótima pedida! Logo depois nos encontramos novamente com a guia que nos recepcionou e fechamos alguns passeios para praias próximas á ilhéus.

No hotel tem um portão que logo que abrimos nos damos direto com a Praia do sul. Para quem sabe não sabe nadar como eu fujam! A praia tem a maré forte e não tem estrutura como quiosques para visitantes, mas vale pelos corais lindos que ficam visíveis logo pela manhã e pela agua transparente que encanta. Quando queríamos trocar a piscina do hotel optávamos de ficar na praia dos milionários que fica cerca de 10 minutos de carro do hotel.

praia dos milionários

A gastronomia é muito atrativa e servida em quiosques limpos e com ambiente muito agradável. Vímos muitas pessoas saindo do centro de Ilhéus para comer por ali. Nossa escolha foi a Cabana de Gabriela, pesquisada por mim antes da viagem e indicada pelo taxista por coincidência, aliás, os taxistas de ilhéus fazem da corrida uma aula de história, sempre com um bom conto da cidade ou algum lugar certeiro para conhecer. Na cabana de Gabriela, meu noivo e eu nos jogamos na culinária local e comemos caranguejo (prato bemm farto, por R$ 85, nesse dia só jantei bem tarde haha) e já nos demos por satisfeitos. Depois curtimos a praia que é digna de cenário de filme e com toda estrutura para os visitantes. A vontade de fotografar cada pedacinho daquele local é imensa. Queríamos aproveitar o máximo da região ao redor, por tanto o espirito aventureiro foi tomado por completo. No dia seguinte partimos para o primeiro destinos escolhidos, Itacaré! O passeio ficou (R$ 65 por pessoa, sem comida e bebida inclusa, das 08:40 as 17:00). Itacaré nas palavras do guia é “a Amsterdã brasileira”! haha No caminho de ilhéus para Itacaré é possível se deslumbrar com rios e praias semi-deserta.

Itacaré

Nossa primeira parada foi à praia do Resende, Cercada de pousadas e Hostel cheio de charme (a maioria dos donos são estrangeiros) circulam pessoas em busca da prática de Yoga e tratamentos alternativos, uma sociedade alternativa no meio da Bahia. Conhecida pelos surfistas de diversos países e pessoas em buscam das melhores ondas para surfarem (do aprendiz aos profissionais), já que é possível alugar pranchas ou mesmo ficar observando os campeonatos de surf que acontecem frequentemente na paia. A vida noturna da praia do Resende também é movimentada, placas de show de um jazz ou reggae ao vivo, rave e Forró são bem comuns, os sotaques ouvidos ao redor se misturam com o português dos poucos brasileiros que vivem por lá.  

Logo em seguida fomos para a praia da Concha, pois lá possuem mais infraestruturas turísticas e águas cristalinas menos frias e convidativas para esportes como Stand Up e caiaque, que, aliás, foram umas das melhores partes da viagem. O jovem senhor que fugiu da selva de pedra de São Paulo e refugiou-se em Itacaré na década de 70, hoje é um simpático instrutor de esportes aquáticos. Uma hora é R$20, porém ele ficou com meu noivo e eu 1 hora e meia na agua (segundo ele era uma questão de honra nos colocar em pé na prancha, que parece fácil, mas não é! hahah) e se negou a receber os extras por essa proeza. Depois curtimos um maravilhoso almoço na barraca Maré alta, com peixe a cavala, pirão de peixe e farofa de banana da terra. Sim! Nosso proposito era comer as comidas regionais, o preço do prato que servia tranquilamente no meu ponto de vista três pessoas saiu por cerca de R$ 90 o prato.

Para finalizar o passeio em Itacaré fomos para a praia de Tiririca, lá o encanto continua, mas também não tem muita estrutura para turistas, porém não é motivo para deixar de ir!  Lá não deixe de experimentar o Petit Gateau de cacau com banana na terra do restaurante Pimenta Doce Café Gourmet na praça, divino!! Ou mesmo um chocolate gelado! Os artesanatos locais são encantadores e com bom preço para fechar com chave de ouro o passeio.

morro de sp2

Nosso segundo passeio fomos para Morro de São Paulo. Um lugar longe de tudo que é necessários quatro horas de viagem e 45 minutos de lancha (vá com muita vontade, pois é longe, mas é muito recompensador). Saímos do hotel as 05:40 e éramos para voltarmos as 21:00, (R$165 por pessoa mais R$15 da taxa da lancha).  Morro de São Paulo tem uma beleza reluzente, parece que estamos fora do país pela quantidade de estrangeiros me arrisco opinar que seja 70% de quem estavam lá. Como toda a Bahia é cheia de história, Morro de São Paulo não é diferente, como o mirante de Serra Grande que proporciona uma privilegiada visualização de toda a praia. Para chegar até o mirante percorremos uma trilha de cerca de vinte á meia hora de caminhada, a boa é que a decida pode ser feita por tirolesa R$40 por pessoa. Meu noivo preferiu o método com aventura e desceu 70 m morro abaixo e pousou  na praia, eu não me animei muito e preferir descer na raça. O mar é lindo e sem dúvida é a praia mais linda que frequentei… Musica ao vivo ao som de Alceu Valença, bangalôs para tomar sol e lagosta para duas pessoas por R$65, sim! haha Lá praticamos caiaque ( uma hora R$20 por pessoa). O passeio foi ótimo! Mais artesanato e visitamos a Igreja Nossa senhora da luz. A única coisa que deixou a desejar o passeio foi o fato do atraso para retornamos ao hotel. Por falta de comunicação do guia tivemos que passar em Itacaré para deixar algumas pessoas e isso só foi avisado á caminho de Itacaré o que causou um stress, pois chegamos 1hr40 depois do previsto no hotel. Mas mesmo assim valeu cada segundo.

morro de sp3

Fechamos com um passeio no Pé de Serra Cachoeiras do Tijuipe (R$55 por pessoa das 08:40/17:00), porém o passeio foi cancelado pois estava acontecendo um manifestação na rodovia e o dinheiro reembolsado. Deixamos para o ultimo dia para fazer o tour histórico de Ilhéus e preferimos fazer sozinhos. Pegamos uma táxi e fomos conhecendo os principais pontos do centro, como o museu de Jorge Amando que foi sua casa (R$2 por pessoa a entrada) onde é possível visualizar objetos pessoais do autor, como suas roupas. O bar do Vesúvio que ganhou fama com a obra de Jorge, a Igreja Matriz de São Jorge de Ilhéus e o Mercado de artesanato de Ilhéus.  O grand finale ficaria visitar o Bataclan assistir o teatro sobre a história do cabaré que fez parte de histórias em obras de Jorge Amado, inspirou personagens de novelas globais  e por fim jantar por lá, mas infelizmente tive um mal estar e nação conseguimos fechar com chave de ouro. Pretendemos voltar para ilhéus mais para frente, com certeza, valeu muito a pena e tornou-se aquele destino que você quer indicar para seus amigos ou encaixar em um feriado prolongado. Sim!! Foi paixão á primeira vista! Mas como toda viagem tem seus porem e a única coisa que gostaria de ressaltar é o cuidado para fechar pacotes de passeios, pois escutei algumas histórias de pessoas que caíram em ciladas. Não mais, abra o coração e aproveite a Bahia!

Anúncios

Um comentário sobre “On the road: o que fazer em Ilhéus e na costa sul da Bahia?

  1. Pingback: Cabelo: Aprenda a fazer a trança boxeadora! | Coconut Avenue

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s